***22 anos de Magistério****

domingo, 24 de novembro de 2013

MANUAL DE ATIVIDADES LÚDICAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA COM RECEITA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA COM RECEITA

MANUAL DE JOGOS DE MATEMÁTICA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA CONSCIÊNCIA NEGRA

LEITURA DELEITE


E SE CRIANÇA GOVERNASSE O MUNDO

ATIVIDADES DE MATEMÁTICA

A LEBRE E TARTARUGA

LEILÃO DE JARDIM

SEQUÊNCIA DIDÁTICA COM A TURMA DA MÔNICA


O SAPO APAIXONADO

A MENINA GIGANTE

QUANDO A ESCOLA É DE VIDRO

O PINTINHO QUE NASCEU QUADRADO

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

SEQUÊNCIA DIDÁTICA A PRINCESA E A ERVILHA








Olá Educadora Cida, felicidades para toda sua casa! Convido você para conhecer o Projeto Educadores Multiplicadores. O objetivo é unir e divulgar blogs de educadores. DIVULGUE SEU BLOGUE no EDUCADORES MULTIPLICADORES e fique em evidência. Compartilhe saberes! A parceria é exclusiva para blogs de Educadores/Professores que escrevem conteúdos ligados diretamente à Educação. Faça parte da família dos Multiplicadores! Permita que seu blog fique mais conhecido entre os professores/educadores, alunos e escolas do Brasil e Portugal. Amplie seu público! Esperamos sua visita! Abraços, fiquemos na Paz de Deus e até breve. IRIVAN em IDEIAS PARA PROJETOS
Quero convidar os seguintes Blogs para participar:


http://amigasdaedu.blogspot.com.br/
http://misturadealegria.blogspot.com.br/
http://linguagemeafins.blogspot.com.br/
http://diariodaprofaglauce.blogspot.com.br
http://algodaodocebiscuit.blogspot.com.br/

domingo, 10 de novembro de 2013

JOGOS AFRICANOS

IDEIAS PARA PROJETOS

ÁFRICA

20 DE NOVEMBRO DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

CULTURA AFRO

O MACAQUINHO E O TAMBOR

ÁLBUM CONSCIÊNCIA NEGRA

O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA NEGRA



Projeto
“O Despertar da Identidade Negra”

Período: Mês de novembro

Público-Alvo:
“A prática do racismo constitui crime inafiançável e
imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos
termos da lei”.
(Constituição da República Federativa do Brasil-Art. 5ºinciso XLII).

1 - Apresentação
O mito da democracia racial é assunto importante, por isso é tratado
nesse projeto. É analisando quem somos que oportunizamos às nossas crianças
refletirem sobre a mistura que compõe o povo brasileiro. Isso possibilita o
reconhecimento de que todos somos iguais, independentes da cor da pele, e que
temos direito às mesmas oportunidades.
Abordaremos aspectos da pluralidade cultural, bem como o convívio social
e étnica.
2 - Justificativa
O presente projeto, intitulado “O Despertar da Identidade Negra no Ensino Fundamental”, traduz a necessidade de caráter social e político da escola de
desenvolver nas crianças, desde cedo, uma consciência crítica que possibilite
ações e atitudes positivas.
Responsável pelo processo de socialização, a escola estabelece relações
entre crianças brancas e negras, possibilitando a convivência com diferentes etnias e gêneros e a construção da identidade.Ao vivenciar essa proposta volta-se para a observação das diferenças enquanto características e abandonam-se
preconceitos que ao longo do tempo da história serviam para a desvalorização dos
atributos individuais.
Com este projeto pretende- se sensibilizar e conscientizar a comunidade a cerca do respeito às diferenças existentes nos grupos étnicos.Nessa ação vê-se o fortalecimento do compromisso com a defesa da construção do pleno exercício da cidadania.
Levando-se em consideração que é preciso educar o indivíduo para a
convivência saudável no espaço em que está inserido, ao propor este trabalho,
busca-se a compreensão de como são construídas as relações raciais.A
importância disso consiste na quebra de preconceitos, inclusão social e promoção
da equidade.
3 - Objeto Geral
Possibilitar o desenvolvimento de valores básicos para a consciência da
mistura das três etnias que deu origem ao povo brasileiro, para o respeito ao outro
e a si mesmo e para que compreendam, respeitem e valorizem a diversidade
sociocultural e a convivência solidária em uma sociedade democrática.
4 - Objetivos Específicos
· Pesquisar palavras em jornais e revistas
· Registrar palavras pesquisadas
· Ler texto
· Observar o mapa mundi
· Expressar a diferença entre 13 de maio e o 20 de novembro
· Escrever palavras relacionadas ao tema
· Registrar numerais, reconhecendo as quantidades
· Identificar o calendário mensal como parte integrante do calendário anual
· Demonstrar ações de irmandade, fraternidade
· Reconhecer o número de letras das palavras
· Localizar e identificar distâncias
· desenvolver o gosto pelas artes cênicas
· Expressar situações vivenciadas ligadas à religiosidade
· Identificar palavras que representem o nome de alimentos de origem
Africana
· Resolver pequenos problemas
· Emitir opinião sobre o que é preconceito racial
· Ouvir músicas relacionadas ao tema e mostrar o que percebeu na letra e no
som das músicas
· Reconhecer som afro
· Demonstrar sua compreensão da história tempo de escravidão fazendo
ilustração
· Confeccionar maquetes de um quilombo
· Ilustrar a música Canto das três Raças
· Participar da construção do retrato étnico da turma
· Confeccionar pequenos chocalhos, peças de vestuários, utensílios de mesa
· Participar da montagem do painel da fraternidade
· Participar ativamente das brincadeiras
· Descobrir o sentido de algumas lendas de origem afro

5 - Atividades
· Pesquisa em jornais e revistas das palavras: Trabalho, escravo, Brasil,
Portugal e África.
· Identificação de palavras pesquisadas através de caça-palavras
· Leitura de parte do texto da pág 27 “Zumbi pensava diferente”
· Observação do mapa mundi para localização do Brasil, África, Portugal.
· Decomposição da palavra PALMARES para formação de novas palavras
· Roda de conserva enfocando a diferença entre o dia 13 de maio e o dia 20
de novembro
· Tentativa de escrita de palavras
· Registro de numerais comparando quantidades
· Exploração do calendário mensal
· Exploração do calendário anual com observação de datas que marcam a
história de negro
· Construção de um glossário com palavra de origem africana
· Rodas de conversa enfocando a irmandade dos homens, que todos somos
iguais.
· Exposição de ervas presentes principalmente na cultura afro
· Contagem de número de letras das palavras
· Localização identificando distâncias: Perto longe a partir da fala do narrador
ao afirmar que os negros cativos vinham de muito longe.
· Pesquisa de gravuras ou fotos que demonstrem atos fraternos entre
brancos e negros.
· Audição da música “O conto das três Raças” (cd Clara Nunes música 9)
· Exploração de sons afros: tambor, atabaque, berimbau
· O dia 20 de novembro
· Audição das músicas Conto das três raças e história do Brasil (cd Edson
Gomes)
· Exploração dos sons produzidos pelos instrumentos confeccionados
· Ilustração da História Tempo de Escravidão (através de pintura com
guache)
· Confecção de fantoches com perfil afro
· O dia 20 de novembro
· Ilustração da música O canto das três raças
· Construção de retrato étnico da turma: produção de mural com fotos e
frases que traduzem as características étnicas e culturais das crianças;
· Formação de painel coletivo com personalidades negras que alcançaram a
fama
· Construção de maquete de um quilombo
· Confecção de chocalhos, atabaque, berimbau, etc.
· Montagem do painel da fraternidade para exposição, com gravuras ou fotos
que demonstrem atos fraternos entre negros e brancos
· Ilustração da história Capoeira Angola Cultura e Resistência Negra
· Confecção de uma ceia com iguarias de origem africana

1º) Semana: Desconstruindo o 13 de maio
· Narração da história Tempo de Escravidão
· Narração da lenda “Negrinho do Pastoreio”
2º) Semana:
· Narração da História O Ratinho Branco e o Grilo sem Asas.
3º) Semana: Religiosidade
· Narração da história Capoeira Angola Cultura e Resistência negra

6 – Recursos

· Textos para fundamentação do professor
· Histórias
· CD’S
· Aparelho de som
· Papel ofício
· Tinta guache
· Gizão
· Jogos: caça-palavras, dominó
· Cola
· Tesoura
· Cola quente com pistola
· Lápis grafite com borracha
· Gravuras
· Fotos
· TNT
· Cartolina
· Mapa Mundi
· Calendários
· Instrumentos musicais; tambor, atabaque, berimbau
· Pedras e latinhas
· Produtos para maquiagem: batom, pó, sombra
· Fitas para cabelo

7 – Avaliação

· A criança será observada a partir de sua participação ativa nas atividades
desenvolvidas.

AS PANQUECAS DE MAMA PANYA

Princesa Anastácia

Projeto : Kiriku e a feiticeira para alunos do 1º ao 3º Ano


  • 1. Projeto : Kiriku e a feiticeiraPara alunos do  1º ao 3º Ano
Elaborado pela Professora: Ana Cristina Fíncolo Miguel da Escola Estadual Guerino Vedoato  de Matão , S P.
Material: Filme Kiriku e a Feiticeira
Sinopse: Kiriku e a feiticeira traz todo o fascínio da tradição africana numa estória que celebra a coragem, a curiosidade e a astúcia, baseada em uma lenda da África Ocidental sobre uma comunidade subjugada por uma terrível feiticeira. Nesta aldeia vive Kiriku, um menininho que nasceu para lutar contra o mal. A princípio, mesmo seus companheiros riem de seu tamanho, demorando a reconhecer nele sua coragem, esperteza e sabedoria, no entanto Kiriku enfrenta o poder de Karabá , a feiticeira, e seus guardiões, esculturas conduzidas pela força mágica do espírito do mal. Enquanto seus companheiros guiados pelo Contador de histórias morrem de medo da feiticeira, Kiriku tem coragem para enfrentar o mal e aprendem sua luta, que a origem de tanta maldade é o sofrimento e só a verdade, o amor, a generosidade e a tolerância aliados a inteligência são capazes de vencer a dor. Um desenho animado moderno e encantador que fala a língua das crianças sem subestimar a inteligência dos pais e dos filhos.
Propostas de Atividades:
Atividade 1: Assistir o filme “Kiriku e a feiticeira”. Conversar com os alunos logo que eles percebam que as mulheres estão com os seios a mostra, (pois nós professores iremos perceber os risos) falar sobre o que é cultural, o que é comum em cada cultura, pois os nossos índios andavam nus e ninguém entre eles ria e nem achava esquisito, pois era costume local. Peça para imaginarem se uma criança aparecesse na escola usando apenas um biquíni (que é “normal” em uma piscina), o que iria acontecer? Logo percebem que a questão não é a roupa, o uso ou falta dela, o que causa estranheza é a cultura. Aproveite para mostrar a aldeia, como as casas eram construídas, os utensílios domésticos feitos de barro, as esteiras utilizadas para dormir, como carregavam a água e outros objetos na cabeça, a maneira que carregavam os bebês, as cores dos tecidos, como tratavam as pessoas mais velhas, etc. Lição de casa: Registre através de desenhos a parte do filme que você mais gostou. Conte-nos o porquê da escolha.
Atividade 2 – Minhas Riquezas: Muitos alunos relacionam a maneira tribal em que vivem com a falta de dinheiro. Conversar sobre o dinheiro, as escolhas que temos como “viver bem”, (por que não falar sobre capitalismo e consumismo), e fazê-los pensar sobre o ouro existente naquele local. .(então eram ricos?).Registro: As formas de riqueza. Os alunos ganharam um papel amarelo simbolizando o ouro. Cada um desenhou a formas de riqueza “Alguns desenharam Karabá coberta de ouro, outros o coração de Kiriku feito de ouro, outros ainda os amigos como a maior riqueza.
Atividade 3 – Cabelo: O cabelo é um dos elementos mais visíveis e destacados do corpo. Em todo e qualquer grupo étnico ele é tratado e manipulado, todavia a sua simbologia difere de cultura para nós.
  • 2. cultura. Esse caráter universal e particular do cabelo atesta a sua importância como símbolo identitário. A busca da beleza por meio da manipulação do cabelo destaca-se como uma virtualidade histórica e atuante. Pedir aos alunos que pesquisem, recortem e tragam figuras depenteados,  que demonstrem as várias maneiras de pentear, arrumar e usar o cabelo. Sugestão: “ Para nossa próxima aula de arte, peço que pesquisem, recortem e tragam figuras de penteados que demonstrem as várias maneiras de pentear, arrumar e usar o cabelo. Lembre-se: pode ser de meninos, meninas, mulheres, homens de todas as partes deste nosso mundo”. Quando os alunos retornarem a aula com os recortes façam um cartaz com os tipos variados de cabelos e penteados. Ouçam também a música: Cabelo de Jorge Benjor (letra disponível na seção de musicoteca).
  • Atividade 4 - Aprendendo a trançar: “O uso das tranças pelos negros, além de carregar toda simbologia originada de uma matriz africana ressignificada no Brasil, é, também, um dos primeiros penteados usados pela criança negra e privilegiados pela família. Fazer as tranças, na infância, constitui um verdadeiro ritual para essa família. Elaborar tranças variadas no cabelo das filhas é uma tarefa aprendida e desenvolvida pelas mulheres negras”. Nilma Lino Gomes, educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelocrespo.p.177Utilizando barbantes ou fitas ensiná-los a trançar. Separe três fios inicialmente, o da direita, o do meio e o da esquerda e peça para que alternem a direita para o meio, da esquerda para o meio, assim sucessivamente.
  • Atividade 5 – Arquitetura: Leitura das imagens sobre as cabanas africanas (iguais as do filme de Kiriku). Conversa sobre a evolução. Em África assim como no Brasil, as casas já não são como eram antigamente. Outros povos poderiam pensar que moramos em ocas ao ver fotos de tribos indígenas, assim sendo, não podemos pensar que todos africanos moram em cabanas. A arquitetura africana teve um caráter utilitário, em vez de comunitário, e salvo raras exceções nunca foi empregada, como no resto das civilizações, como representação do poder. Comum a todos os povos foi a utilização de materiais pertencentes à sua região geográfica e o uso intencional e comedido dos materiais em equilíbrio com o meio ambiente. Independentemente de sua hierarquia, todos
  • 3. possuíam o mesmo tipo de casa, não como expressão de igualdade, mas de pertinência ao mesmo grupo.  Os materiais utilizados variavam, então, segundo a região, mas normalmente eram semelhantes: desde o barro até fibras secas tecidas, ou uma combinação de vários. De modo geral, o povoado se protegia com uma muralha de barro, que rodeava e marcava os limites da aldeia. A exceção a esse tipo de arquitetura rudimentar são os povos de Gana e Mali, no sudoeste, que construíram palácios de plantas variadas e o reino de Lalibela, a leste, onde, a partir do século XIII, foram escavados edifícios e templos nas rochas das montanhas. Enciclopédia Multimídia da Arte Universal- Revista Caras Atividade 6 - Modelagem das máscaras africanas: Leitura de imagens: Máscaras africanas. Os alunos observam as máscaras e tecem comentários sobre elas. O professor traz para o grupo informações que sejam pertinentes à faixa etária para discutir com os alunos. Levantamento de questões como o uso de materiais expressivos para trabalhar a figura humana; sobre o  caráter expressionista, que se preocupa muito mais em captar o “sentido” de uma coisa do que em representá-la “fotograficamente”; sobre como o estímulo para a criação artística são fornecidos principalmente pela religião e magia. As máscaras sempre foram as protagonistas indiscutíveis da arte africana. A crença de que possuíam determinadas virtudes mágicas transformou-as no centro das pesquisas. O fato  é que, para os africanos, a máscara representava um disfarce místico com o qual poderiam absorver forças mágicas dos espíritos e assim utiliza-las em benefício da comunidade: na cura de doentes, em rituais fúnebres, cerimônias de iniciação, casamentos e nascimentos. Serviam também para identificar os membros de certas sociedades secretas. Em geral, o material mais utilizado foi a madeira verde, embora existam também peças singulares de marfim, bronze e terracota. Antes de começar a entalhar, o artesão realizava uma série de rituais no bosque, onde normalmente desenvolvia o trabalho, longe da aldeia e usando ele próprio uma máscara no rosto. A máscara era criada com total liberdade, dispensando esboço e cumprindo sua função. A madeira era modelada com uma faca afiada. As peças iam do mais puro figurativismo até a abstração completa. Quanto à sua interpretação, a tarefa é difícil, na medida em que não se conhece sua função, ou seja, o ritual para o qual foram concebidas. Os colonizadores nunca valorizaram essas peças, consideradas apenas curiosidades de um povo primitivo e infiel. Paradoxalmente, a maior parte das obras africanas encontra-se em museus do Ocidente, onde recentemente, em meados do século XX, tentou-se classifica-las. Na verdade, os historiadores africanos viram-se obrigados a estudar a arte de seus antepassados nos museus da Europa. Enciclopédia Multimídia da Arte Universal .
  • Sugestão de atividade: Modelar em massinha nossas pequenas, mas, significativas máscaras.
  • Atividade 6- Na luta contra os estereótipos: Desenhar pessoas com uma feiúra simiesca, caricaturadas de maneira rude destacando-se traços da fisionomia como orelhas, lábios, olhos como se fossem de animais, de tamanho incomum é o que mais vemos em desenhos representando os negros. O porquê disto acontecer? Por causa dos estereótipos, onde algum dia alguém desenhou desta maneira e milhares sem questionar e pensar os reproduz. Conversar com os alunos sobre o porquê das características físicas de pessoas negras serem diferentes de pessoas brancas: dos lábios grossos, o nariz baixo, do cabelo carapinha, da cor da pele escura, existe um motivo biológico, que deverá ser compreendido e respeitado. Desenhando Kiriku e a Karabá.
  • Atividade 7 - O preto no branco e o branco no preto: Uma aluna contou que não desenhava pessoas negras, porque achava estranho usar o lápis de cor preto. Então, fiz a seguinte proposta: Iremos desenhar pessoas neste papel (sulfite branco). Todos desenharam, a maioria das crianças desenhou pessoas brancas, no máximo “morenas”, então, propus outro desenho, mas agora no papel preto(camurça), ficaram indignados que só as cores claras é que aparecem. Então, comentei que não perceberam diferença nenhuma quando o papel era branco e nem por isso aproveitaram a oportunidade para mostrar a diversidade racial. Num outro momento quando uma aluna falou sobrea cor do lápis “cor de pele”, pensei e agi. Pedi aos alunos que pegassem o lápis “cor de pele” e todos inclusive as crianças negras pegaram o lápis salmão (cor de rosa), então pedi que comparacem a pele do braço deles, verificaram que ninguém na sala de aula tinha aquela cor. Então, peguei   contendo todos os lápis e fui pegando um a um, perguntando se era possível pintar apele com aquela cor. . .VERDE, alguns alunos responderam só se tivesse com dor de barriga. ..risos,  VERMELHO. . .quando uma pessoa está com raiva, deixei-os falar, perguntei se todos os dias estamos com dor de barriga ou com raiva, responderam que não, perguntei então, que cores poderíamos representar a pele de pessoas em nossos desenhos, todos pegaram cores como bege ,marrom (em todas as tonalidades) e o lápis preto. Combinamos então, que a partir daquele momento quando alguém nos perguntar qual a “cor de pele”?, pegaremos todas aquelas e perguntaremos: Cor de pele de quem? Qual? Atividade 9 - Leitura da história : Arca de ninguém de Mariana Caltabiano. O Brasil, por ser um país multirracial com grande diversidade de culturas, deve atentar para um esforço coletivo em torno de uma coesão social e no reconhecimento de todas as culturas que aqui estão como legítimas ,diferentes e iguais perante a lei. Esse esforço coletivo deve começar dentro da sala de aula. Levando os alunos a perceberem como é importante conviver com as diferenças sem hierarquizá-las, reconhecendo que a cultura brasileira é fruto da contribuição de diversos grupos. Trabalhar a interculturalidade e mostrar como a diversidade cultural tem contribuído para a formação de nossa sociedade é um importante passo para demonstrar que a integração, assim como o respeito entre as culturas são fatores essências na formação de uma sociedade mais justa. Nosso país é uma grande Arca. No livro os animais precisavam subir na arca por causa da enchente, mas não sabiam lidar com as diferenças. Ao perceberem que não tinham outra solução resolveram entrar e viram que conviver não era um bicho-de-sete-cabeças. Como isso aconteceu? E no Brasil como pode ria acontecer? Atividade 10- Inhame: Os alunos demonstraram curiosidade em saber o que era inhame(quando o sábio do cupinzeiro diz a Kiriku que Karabá não devora homens, ela prefere inhame) .Levei para a aula alguns inhames, ouvi o seguinte comentário “ professora é igual à mandioca, é“quiném” nós e os africanos só muda o nome.”



CONSCIÊNCIA NEGRA


Sequência Didática do livro As tranças de Bintou

Escola Municipal Dr. Urbano Pedral Sampaio.
Cursista. Maria Aparecida Silveira Caldas          3º Ano A
Orientadora: Isabel Cristina                                   



1. Sequência Didática utilizando o Livro As tranças de Bintou de Sylviane A. Diouf


2. Área / Componentes Curriculares


·         Língua Portuguesa; ( Diversidade cultural e Preconceito)
·         História; (Identidade)
·              Geografia. (O continente Africano)

      ·    

Direitos Gerais de Aprendizagem.

3. (Língua Portuguesa)

3.1. Produzir e compreender textos orais e escritos com finalidades voltadas para a reflexão sobre valores e comportamentos sociais, planejando e participando de situações de combate aos preconceitos e atitudes discriminatórias (preconceito racial, de gênero, preconceito a grupos sexuais, preconceitos linguísticos, entre outros.)

3.2. Participar de interações orais em sala de aula, questionando, sugerindo e respeitando os turnos de fala.


4. (História)

4.1. Identificar – se, a si, e as demais pessoas como membros de vários grupos de convívio (familiares, étnico-culturais, profissionais, escolares, de vizinhança, religiosos, recreativos, artísticos, esportivos, etc.)

4.2. Dialogar e formular reflexões a respeito das semelhanças e das diferenças identificadas entre os membros dos grupos de convívio dos quais participa.


5. (Geografia)

5.1. Descrever as características da paisagem local e compará-las com as de outras paisagens.

5.2. Conhecer e valorizar as relações entre as pessoas e o lugar: os elementos da cultura, as relações afetivas e de identidade com o lugar onde vivem.
5.3. Ler o espaço geográfico de forma crítica através das categorias lugar, território, paisagem e região.




6. Justificativa

·           Diante da diversidade encontrada nas escolas, torna-se imprescindível o trabalho de conscientização entre as crianças, para que relações sociais harmoniosas sejam estabelecidas, bem como, a valorização das individualidades para a superação de possíveis desajustes causados pelo preconceito.


7. Duração da sequência –  4 dias



8. Materiais

·               Slides do Livro As tranças de Bintou;
·                O livro impresso;
·                Data show;
      Notebook;
·               Mapa Mundi;
·              Carteira de identidade (RG);
·               Clip da Turminha do Marcelo, como é bom ser diferente.


9. Atividades

·         Leitura do livro As tranças de Bintou;
·         Exibição dos slides;
·         Exibição do clip Como é bom ser diferente;
·         Debate sobre o preconceito, em uma roda de conversa;
·         Confecção de uma carteira de identidade;
·         Leitura e identificação do continente Africano, no mapa mundi;
·         Pesquisa sobre a cultura africana, em seus diversos aspectos, como a música, a dança e comidas típicas;
·         Dança de capoeiristas.


10. Metodologia


·         (1º dia) Em uma roda de leitura, foi feita a leitura do livro As tranças de Bintou, de Sylviane A. Diouf. Em seguida, fizemos um debate sobre a diversidade cultural e o preconceito, de diversos ângulos. Para fechar a aula, assistiram o clip como é bom ser diferente, da Turminha do Marcelo.


·         (2º dia) Começamos a aula com os slides do livro, relembrando o que havia sido lido e dito no dia anterior. Depois trabalhamos a identidade de cada um, fazendo com que o aluno reconhecesse a identidade de Bintou. E, confeccionamos um carteira de identidade, para mostrar como existem as diversidades, tanto no nome, como na raça, cultura, nacionalidade, etc.


·         (3º dia) Utilizamos o mapa mundi, para que cada aluno tivesse a oportunidade de reconhecer no mapa, o continente Africano, fazendo uma ligação com a personagem de Bintou, reconhecendo a raça negra e quebrando o preconceito racial. E fechando a aula, a turma foi dividida em 3 grupos, que na aula de informática, deveriam fazer uma pesquisa, sobre algumas danças, músicas e comidas típicas da África, para que seja apresentada na aula seguinte.



·         (4º dia) Terminando a sequência didática, os grupos expuseram os trabalhos feitos na aula de informática. Houve uma grande empolgação quando se tratou das danças. E finalizando, um grupo de capoeiras fez a dança no pátio da escola.


11. Avaliação

·         Será feita, mediante as atividades desenvolvidas em sala de aula e da pesquisa executada em casa.




sexta-feira, 8 de novembro de 2013

CONSCIÊNCIA NEGRA

MINHA VOVÓ É NEGRA.

sábado, 2 de novembro de 2013

Capas de Caderno em EVA

20 de Novembro Dia da Consciência Negra

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

©Template designer adapted by Liza.